sexta-feira, 3 de junho de 2016

Alento

(arte: Irina Usacheva)

Gosto de pensar nela em um campo amplo pra correr, com sol morninho (porque ela é friorenta) e árvores para ela escalar se quiser.

Gosto de pensar que ela está cercada de vários outros animais: pássaros, gatos, insetos... E todos brincam uns com os outros nessa utopia onírica e estranha de meu coração.

Penso nela livre, feliz. Talvez, vez ou outra, ela lembre de mim, dos outros humanos que a amam e das irmãzinhas. Espero que essas memórias sejam apenas amor pleno em sua alminha e que acalente essa saudade inegável que ambas sentimos.

Não anseio pelo reencontro.
Nós nunca nos separamos.

Te amo, Sol-Sol. 
Pra sempre.