sexta-feira, 17 de julho de 2015

Poesia escrita por meu pai...

O medo do rio tornar-se oceano...
O medo da alma tornar-se infinita...
O medo do Tonal tornar-se Nagual...
O medo de vencer o primeiro inimigo...
 

(poesia de Humberto Nogueira Alves)




--
Arte: Stuukstly

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Oceano

Quando o olhar de um só 
...tornar-se o olhar de muitos

Quando a voz que se cala
...erguer em vozes plurais
...pela vida e pela Terra-mãe

Perceberemos o que já somos

UM só

Entrelaçados e ligados

Um oceano cósmico 
...de possibilidades
...de luzes

De amor


(Flavia Alves)






quinta-feira, 9 de julho de 2015

Quinze

(6 de julho de 2015)

Sonhos que se mesclam
...e expandem
Crescem
E novos sonhos surgem
...brotam
Preenchem e sugerem
Iluminando as almas
(e corações)
Os abraços
...são mais do que abraços
Os laços
Etéreos e eternos
(amores)
Nossas escolhas, mãos, pernas
...e força
Nossas vidas, palco de nossas existências
...e temores
(e esperanças)
E criamos juntos tramas
...e memórias
Coadjuvantes e atores
Destino a seguir
Testemunhas vivas
...de nossas histórias
Lótus a abrir
Reluzir...


(Flavia Alves)







quarta-feira, 1 de julho de 2015

Busca


Busquei por ti, por toda a minha vida
Caí, chorei, sofri...
Envolta em sombras, me desesperei
E meus sonhos
...para o destino, entreguei

Mergulhei nas águas de mim mesma
Afundei na minha própria escuridão
Cheguei ao fundo
...sem forças (ou razão)

Confiei no incerto
Deixei de lado a emoção
E foi apenas assim que renasci
Tal qual uma fênix
De minhas cinzas me ergui
...e cresci (aprendi)

Emergi mais leve
...mais lúcida, mais forte
Precisei encarar o espelho
...e me ver guerreira

Busquei por ti a vida inteira
E aparecestes
E és real

Apenas na entrega
...o destino me mostrou
Esta maior escolha
...que é o amor


(Flavia Alves)




--

Arte: morningstar3878, deviantART




Fome

Tenho sede dos seus beijos
Fome do seu olhar
Seus braços são ninho
...são sonho e desejo
É privilégio o encontro
O amor
...e o amar


(Flavia Alves)


--

Arte: Debra





Vigia

Mãos nos cabelos vermelhos
Sonhos vigiados
Pesadelos esquecidos
Amor que transborda
...em amparo
Zelando
...com todo cuidado


(Flavia Alves)



Amor, abrigo, amigo...

Entrelaçamos os dedos
...sob este sol amarelo
Ranger arqueiro
Guerreiro querido
Olhar aguçado
Zelo e carinho
...bem perto

É no seu calor-abrigo
...que encontro meu ninho e meu chão
Conversas eternas, sem fim
Tantos assuntos, silêncios mornos
Cumplicidade, amizade

Cheiro da pele
Toque
Luz e galáxias 
...nos olhares

Amor-abrigo
Amor-amigo
Amor


(Flavia Alves)





Desabrochar


Pele
...e toque

Cheiro
...e calor

Energia
...de amor

Desejo
...e afeto
(que cresce)

Laços
...dos corpos
...e das almas

Nos fortalece
Floresce


(Flavia Alves)









O Brincar


O brincar é relativo
Pode ser alegria
E também perigo

Pode ser sorriso e emoção
Pode ser ausência
Dor, fome e frustração

Quero um mundo mais justo
Sem justa raiva
Jamais mudo!

Quero igualdade
...de oportunidades
Harmonia e transformação
Quero lágrimas
...apenas em sorrisos

E transformaremos
...a escravidão em libertação
E desamor em união

Acreditemos!
Está em nossas mãos.




(Flavia Alves)



--

Arte: Djanira da Motta e Silva