segunda-feira, 16 de março de 2015

Janela





Na janela, ela vê a vida.
Curiosa, sempre foi atrevida.
Busca fogos, barulhos...
Ronrona, brinca, dá pulos!

Sonolenta, ela observa a janela...
Toda a agitação que ali passa.
Sente o vento, a chuva e o sol...
Escuta, passarinhos ao redor.

Seu olhar aos poucos parece distanciar...
Seu corpinho, cada vez mais magro.
Mas, para quem sabe ver além do olhar...
Sabe que ela está apenas a transformar...

A dor, em luz.
A vida, em amar.


(Flavia Alves)




Nenhum comentário:

Postar um comentário