quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Lobo


Sufoco o grito
Seco as lágrimas 
Engulo o choro
Respiro

A vida exige
Maltrata
Empurra
Sigo, tropeço
Para o mundo
...estou nua

Onde estão minhas asas?

Lamento
Reclamo
De nada adianta
Quem ouve meu pranto?

Alma exausta
Pareço afogar
Mares de medo
...a me atormentar

Sozinha
...no escuro

Encaro o lobo marrom
Não rosna e não uiva
Parece uma esfinge
Com a luz, ele some
Se esvai, extingue

No espelho busco o olhar
Brilho desaparecido
Aura diminuída
Energia fraca
Imagem descabida
...diluída
...nos pesadelos de sangue
...da orla da floresta
Grito contra os fantasmas
As sombras não desaparecem

Luto a pior batalha
A guerra contra o rancor

Eu mesma amputei meu voar
Quebrei minhas mãos
Afoguei meu sonhar
...como uma Cecília
Um delírio
Martírio
Navios no fundo do mar
Esperava acordar

Não acordo
...me entrego ao medo

Pesadelo


(Flavia Alves)





Nenhum comentário:

Postar um comentário