sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

20

(um ano e oito meses)

Vida de laços
Múltiplas alegrias
Tantas facetas...
Doce nostalgia!

Vida de sonhos
Cheiro morno
Escolha perene
Dedos entrelaçados

Vida de crescimentos
Tombos e alicerce
Afeto declarado
Amor, amigo, amado

Vida de descobertas
Ninho de almas
Destino e bênção
Ansiado e risonho encontro




(Flavia Alves)





terça-feira, 22 de setembro de 2015

Memórias do Verde

Respiro buscando as inspirações
Logo chegam as imagens das memórias
Confusas, misturadas, perturbadoras
Algumas parecem estar debotadas
(é o tempo)

Decido usar um recurso infalível
Escuto músicas...
Elas despertam as lembranças
Algumas impactantes
Outras, névoas flutuantes

Meu pai me contando histórias de bruxas
...ao som de “Milagre dos Peixes”
A janela da sala está aberta
Tenho apenas dois anos
...e o mundo é enorme

Vou então para uma tarde de chuva
Eu e meus irmãos estamos diante da TV
A Emília segura uma caixa de madeira
- “É a canastrinha”, corrige a Flávia de sete anos

Salto para o futuro daquela tarde
O dia é nublado, duro... (doloroso)
Parece inteiro cinzento, sem cor
No dia anterior tínhamos visto um filme
Agora, nunca mais verei minha mãe
O vermelho no edredom ficou gravado
...nos meus olhos, mesmo cerrados
Não quero mais lembrar disso
E não consigo esquecer

Filha nos braços, cheiro morno
Brilho de prata
...em plena luz do dia (no mar)
Lágrimas e solidão
Abraços, amigos, multidão
Livros na mão, olhares de galáxias
Renascer e escolha afinal
Dias de sol e de vento
Verdes de tantos tons
Filmes, fotos, construções
Poeiras de sentimentos
Caminhar impermanente
Transformação contínua
Aprendizado crescente

Fragmentos
Todos mesclados
Infância, juventude, vida
Círculos, quadros, fotografias
Todos sem datas precisas

As memórias nos dizem muito
Sobre todas as emoções
As que vivemos...
...e as que viveram por nós
Livros, filmes, séries, contos
Todos deixam suas impressões
Suas ideias, riso e pranto

Algumas parecem ter sido queimadas na pele
Como ferro em brasa
Outras se perdem dentro de nós
...como lágrimas na chuva
Como a suave luz da lua

Somos muito o nosso olhar
Verdade nua


(Flavia Alves)


--

Fotografia: Lauren Carpen




terça-feira, 8 de setembro de 2015

17

Tempo que confunde
Rápido parece
Anos parecem
Cumplicidade e amizade
Em escolhas
Ao construir
Laços que fortalecem
Brotar sem fim
Florescer
Frutificar
Amadurecer
Amar


(Flavia Alves)








Jornadas



(para Leandro Mattos, pelo dia de sua formatura)

Luz azul a bailar
Oficial comemoração
Roupa formal
Dharma a cumprir
Talvez, vocação
Respostas que estão em você
...na alma
...no coração
Serão velas içadas?
Ou apenas esforçadas remadas?
Estarei ao seu lado
(meu amor)
Qualquer que seja a sua jornada
Aonde você for...


(Flavia Alves)




--
Arte: artistengg, deviantART