quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Poesias mortas IV

(Imagem: "Pandora", de Black Eri)


Espero que elas tenham se calado em minha alma.
Datas diversas, aos poucos estas palavras ficam em meu passado.
Veremos...

--

"Desorientação"

Saudade de tua voz
Saudade do abraçar
Saudade de te sentir
O que faço com este amar?

--

"Onde?"

Olhos escuros e brilhantes
O mais lindo diamante
...louco, amado, desejado
Onde estás neste instante?

--

Desejo... dor
Adorado... amor
Saudade... rancor
Solidão... temor

--

"Sentido"

Seu corpo no meu
...fazia tanto sentido
Seu beijo, seu cheiro...
Parecia meu melhor amigo

Amante ardoroso
Cada suspiro...
...cada gozo
Eu era sua, e você...
...era apenas seu
(ilusão)

Adorar fervoroso o meu
(só meu)

--

"Inveja"

Não pensei que eu seria capaz de tal sentir
Vibração baixa
...cruel existir
Mas você a escolheu
Não quis o meu amor
...nem quis compartilhar o seu
Confesso...
Queria ser eu
...a sua escolha
...a sua musa
Pois mesmo tão distantes
...ainda, por ora, sou sua

--

Cansei.
Onde tu estás?
Onde está a nossa amizade?
Existia? Sobreviveu?
Como não a sinto?
Como não a vejo?
Não é possível que não sintas saudades.
...de nós.
Ou mentiste antes
Ou engana-te agora!
Ah, Deus...
De um jeito ou de outro
...és nada mais do que um mentiroso!

--

"Ego"

Alguém me disse
...que o amor que sinto por ti
é apenas a voz do meu ego
...ou orgulho
...ou ambos
Não sei...
Tento descobrir e desvendar
...a natureza deste tão profundo amar
Mas fico presa ao querer
...isso me limita, me faz chorar
...sofrer
Ignorar não é solução
Aquieto a alma
...inutilmente
Suspiro, respiro
...tristemente

--

"Seguir"

Sigo meu caminhar
Prossigo minha busca
Amar
E encontrar alguém que retribua este amor
Sem medo, sem dor
O passado torna-se prisão
...limita nosso coração
Devemos focar no bem-querer
Apenas assim seremos livres
...eu e você
Apenas assim, poderemos, de fato
...viver

--

"Não há..."

Não há alento nenhum
...em te querer
Não há paz alguma
...em ainda te amar
Não há solução sequer
...neste selvagem desejar
O que devo afinal fazer
...com este insistente sonhar?
(estou exausta de viver pesadelos)
Como, em nome dos Deuses
...a voz de minh'alma calar?
Como deixar perecer, desvanecer
...desbotar, deixar ir
...deixar morrer?

--

Por quê?
Tento, sofro, choro
...não consigo te esquecer
Para quê?
Tanto amor, tanta dor
...tanto querer
Saia de uma vez de minh'alma!
Fora de meu coração!!
Vai-te de uma vez!
Basta de lágrimas e de medo
O amor por ti
...é uma inútil emoção.

--

Corpo de dor, ego, rancor
Tantas coisas a superar
Desilusão, ilusão, temor
Esperança (etérea) de voltar a amar

--

"Caixa"

Fecho os olhos... Exaustão
...cansaço
Sinto a brisa, ouço o mar
Respirar incita meu sonhar
E me surpreendo novamente
Há em mim uma caixa oculta
Nem preta, nem oca e nem rubra
Pandora!
Não ouso abri-la
Nem mesmo olho para ela
Ignoro-a solenemente!
Prefiro sofrer com a tua ausência
...e silêncio
Sangrar com a saudade tua
...do que encarar esta sádica verdade
Que ainda sinto
...tudo o que não deveria mais sentir
E nesta caixa sinto um fraco pulsar
...ele vive!
Um dos sonhos mais belos
...que tive
E agoniza em mim
E morrerá enfim
E ficarei livre afinal
...de um sonho de amor surreal


(Flavia Alves)


Nenhum comentário:

Postar um comentário