sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Lágrima



Me desejas o mal?
Te desejo o bem.

Me desejas a lágrima?
Te desejo o sorriso.

Me desejas a tempestade?
Te desejo o sol e a luz.

Me desejas a dor?
Te desejo o amor.


(Flavia Alves)





Compaixão


É lamentável ver um dom tão belo
...ser assim desperdiçado
Onde deveria existir luz e compaixão
...vejo tanta escuridão
Onde deveria haver poesia
...vejo o ego a dominar
Saiba que apenas o amor liberta
...e apenas a luz nos eleva
...nos faz voar


(Flavia Alves)




quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Poesias mortas IV

(Imagem: "Pandora", de Black Eri)


Espero que elas tenham se calado em minha alma.
Datas diversas, aos poucos estas palavras ficam em meu passado.
Veremos...

--

"Desorientação"

Saudade de tua voz
Saudade do abraçar
Saudade de te sentir
O que faço com este amar?

--

"Onde?"

Olhos escuros e brilhantes
O mais lindo diamante
...louco, amado, desejado
Onde estás neste instante?

--

Desejo... dor
Adorado... amor
Saudade... rancor
Solidão... temor

--

"Sentido"

Seu corpo no meu
...fazia tanto sentido
Seu beijo, seu cheiro...
Parecia meu melhor amigo

Amante ardoroso
Cada suspiro...
...cada gozo
Eu era sua, e você...
...era apenas seu
(ilusão)

Adorar fervoroso o meu
(só meu)

--

"Inveja"

Não pensei que eu seria capaz de tal sentir
Vibração baixa
...cruel existir
Mas você a escolheu
Não quis o meu amor
...nem quis compartilhar o seu
Confesso...
Queria ser eu
...a sua escolha
...a sua musa
Pois mesmo tão distantes
...ainda, por ora, sou sua

--

Cansei.
Onde tu estás?
Onde está a nossa amizade?
Existia? Sobreviveu?
Como não a sinto?
Como não a vejo?
Não é possível que não sintas saudades.
...de nós.
Ou mentiste antes
Ou engana-te agora!
Ah, Deus...
De um jeito ou de outro
...és nada mais do que um mentiroso!

--

"Ego"

Alguém me disse
...que o amor que sinto por ti
é apenas a voz do meu ego
...ou orgulho
...ou ambos
Não sei...
Tento descobrir e desvendar
...a natureza deste tão profundo amar
Mas fico presa ao querer
...isso me limita, me faz chorar
...sofrer
Ignorar não é solução
Aquieto a alma
...inutilmente
Suspiro, respiro
...tristemente

--

"Seguir"

Sigo meu caminhar
Prossigo minha busca
Amar
E encontrar alguém que retribua este amor
Sem medo, sem dor
O passado torna-se prisão
...limita nosso coração
Devemos focar no bem-querer
Apenas assim seremos livres
...eu e você
Apenas assim, poderemos, de fato
...viver

--

"Não há..."

Não há alento nenhum
...em te querer
Não há paz alguma
...em ainda te amar
Não há solução sequer
...neste selvagem desejar
O que devo afinal fazer
...com este insistente sonhar?
(estou exausta de viver pesadelos)
Como, em nome dos Deuses
...a voz de minh'alma calar?
Como deixar perecer, desvanecer
...desbotar, deixar ir
...deixar morrer?

--

Por quê?
Tento, sofro, choro
...não consigo te esquecer
Para quê?
Tanto amor, tanta dor
...tanto querer
Saia de uma vez de minh'alma!
Fora de meu coração!!
Vai-te de uma vez!
Basta de lágrimas e de medo
O amor por ti
...é uma inútil emoção.

--

Corpo de dor, ego, rancor
Tantas coisas a superar
Desilusão, ilusão, temor
Esperança (etérea) de voltar a amar

--

"Caixa"

Fecho os olhos... Exaustão
...cansaço
Sinto a brisa, ouço o mar
Respirar incita meu sonhar
E me surpreendo novamente
Há em mim uma caixa oculta
Nem preta, nem oca e nem rubra
Pandora!
Não ouso abri-la
Nem mesmo olho para ela
Ignoro-a solenemente!
Prefiro sofrer com a tua ausência
...e silêncio
Sangrar com a saudade tua
...do que encarar esta sádica verdade
Que ainda sinto
...tudo o que não deveria mais sentir
E nesta caixa sinto um fraco pulsar
...ele vive!
Um dos sonhos mais belos
...que tive
E agoniza em mim
E morrerá enfim
E ficarei livre afinal
...de um sonho de amor surreal


(Flavia Alves)


quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Caneta


Quantos versos escrevo eu
...com a caneta que sua seria
Divago... Aos poucos me liberto
...e em breve não serei mais sua
Morre, enfim, a nostalgia
...do amor que jamais viveremos
Conquisto a minha alforria


(Flavia Alves)




--

Imagem: deviantART




Oráculos


Ás de copas...
Seis e oito de paus
A Imperatriz
A Sacerdotisa
Três... Copas novamente

2014... Ano do cavalo
Jera, Perth, Isa
Gebo... O Sol
Quatro de paus
Nove de ouros
Dez de copas

Esperança semente



(Flavia Alves)



--


Imagem: deviantART



terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

A coragem que a Morte nos traz...


Não sabemos
...a hora de partir
...quando será a última dança
Não sabemos

Não sabemos
...se o amor irá, ou não, nos enlaçar
...se vale arriscar, saltar
Não sabemos

Precisamos ter coragem
...vivendo
...saltando
...amando
...chorando
...crescendo
...envelhecendo
...morrendo

E seguimos sem saber
.

(Flavia Alves)




--

Imagem: deviantART



quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Semente


Sintonia de energia
pensamento, voz e ação
Afinidade além do olhar
...semente de bela emoção
Encontro após tantos caminhos
...estar contigo, será destino?


(Flavia Alves)



--


Imagem: deviantART

Eu quero um poeta



"Quero um poeta pra mim;
Me acordar com poesia;
Me recitar versos encantadores;
Me escrever em forma de poesia;
Que haja um poeta saudoso no meu destino..."

(poesia de Dodora Araújo)

--


Imagem: deviantART



Vida


"...a vida é a rotina, a fuga dela ou seus intervalos?"

A vida é instantes
‘Somos instantes’
Borboletas e bolhas de sabão
a vida é este olhar
é o subir a montanha
a lágrima que cai, é a poesia derramada
a risada
o abraço
a cerveja
o cansaço
o suspiro
...a vida é tudo isso


(conversando com um amigo)

--

Imagem: deviantART


quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Instantes



Como o tempo é ilusório... escorregadio... efêmero
Como a vida é breve... rara... passageira
Um instante... Instantes
Um piscar... borboleta e bolha


(Flavia Alves)



--


Imagem: deviantART

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Fechando livros, encerrando histórias e estórias

(imagem: deviantART)

Hoje eu fecho um ciclo
Fecho ciclos
Corto nós e laços
...os desfaço

Hoje eu fecho e guardo 
...um livro
...dois livros
...muitos livros
Todos

Sereno meu coração
Cumpri os rituais de luto
Escrevi poemas e chorei
Não neguei nenhuma emoção

Vivi a solidão com intensidade
Aceitei...
...serenei
Hoje eu silencio as orações
Silencio os rituais 
...de libertação

Estou livre
Sou livre
Sou


(Flavia Alves)



Sobre o amor

(imagem: deviantART)


Paixão é efêmera e passageira.
Amor é escolha, e é construção.
Requer zelo, carinho e paciência.
Exige coragem, sinceridade, dedicação.


(Flavia Alves)



Poesias mortas III

(arte: deviantART)

Estas poesias não deveriam existir... 
Mas, o que posso dizer, é que finalmente elas estão silenciando em mim.
E isto é libertador.

--

"Sublimação"

Saber é uma coisa
Encarar é outra
Olhar causa impacto
Ver será a minha libertação

A ausência provoca saudade
A saudade provoca dor
E neste exaustivo presente
Você escolheu outro amor

Não devo pensar no futuro
Prossigo, sozinha, meu caminhar
Lamento a amizade perdida
Não irei mais, contigo, sonhar

Tarefa quase impossível, confesso
Será este amor sublimar
Abrir meu coração para o destino
Esquecer de você... meu menino

--

"Dimensão"

Em outro universo ou dimensão
Estamos juntos, eu e você...
Talvez meus sonhos lá se originem
Não nos falta amor, coragem ou querer

Aqui escolho não mais lembrar
De que me adianta este tão profundo amar?
Peço aos deuses para meu coração calar
Apenas livre poderei neste mundo caminhar

--

"O que me resta" (uma parte de mim)

Soube que você finalmente voltou a amar
Ou, se de fato me amou, decidiu assumir o sonhar
Não sei o que sentir
As águas em mim parecem tumultuadas
...enchente
Penso no que seríamos e jamais seremos
Lembro do que tivemos e não voltaremos a ter
Meu corpo grita pelo seu
Meu coração sangra novamente
A saudade enlouquece meus sentidos
...entorpece a minha mente
Suspiro.
Respiro.
Medito.
Nada posso fazer.
Só me resta expurgar esta dor
Só me resta esquecer você
...meu amor

--

"Frio"

O frio das águas do mar faz meu corpo tremer
Olho para o horizonte
...lembro, novamente, de você
Encontro novas conchas sob as ondas e as areias
As suas em silêncio perpétuo estão
...e ficarão
O sol se põe, belo, altivo, laranja e rosa
A solidão, mesmo cercada de quem me ama
...se faz presente em cada verso e prosa

--

"Confronto"

Diante do espelho
Foco em meus olhos escuros
Estão secos hoje, cansados
Respiro a angústia
...de ainda sentir um fio de esperança
Considero-me tola
...ingênua como uma criança
Seguro as águas, mornas, nas mãos
Fecho os olhos, breve escuridão
Lavo o corpo, esfrio o desejo
Perene e indesejada paixão
Olho o teto, rolo na cama
...tento dormir
Não quero sonhar
Seu fantasma me persegue
...sua memória a me atormentar

--

"Silêncio"

Preferia não saber do seu amor
Rejeitado, renegado, abortado
Seria melhor pensar que a minha semente
...simplesmente não tinha brotado

Mas, por escolha sua
Com suas mãos nuas
Você arrancou nosso broto
...rancor!
E no abismo do tempo e do medo
...um belo sentimento jogou

Tolo!
...gritou minh'alma em silêncio
Covarde!
...esbravejou, magoado, meu coração
Não faça isso!
...implorei para você.

Implorei.

Tola esperança...

Morre a amizade. Agoniza o meu amor.

E perplexa, eu sigo
Atordoada com a sua decisão
...sua
Cansada de lhe amar, confesso
Com vazio e angústia em meu olhar
...meu

Sentirá você a minha falta?
Pergunta vazia
...oca.
Silêncio perpétuo.

Ausência como resposta

Silêncio


(Flavia Alves)











sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Encruzilhada

 
(arte: deviantART)


Possibilidades infinitas
Caminhos que posso trilhar
Novos olhares, novos sabores
Novos sonhos, novas cores
Sementes que posso plantar
Vida que segue...
Luz na jornada
Despertar.


(Flavia Alves)





terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Ao meu par...


(arte: devianART)


Somos parte um do outro, eu sei.
E nos conhecemos...
De onde no tempo e na vastidão do infinito, eu não sei.

Sua luz preenche meus sonhos e dias...
Mesmo distante da minha consciência,
a percepção de sua presença neste mundo é palpável.

Quando ou se nos encontraremos, eu não sei...
O que sei é que minha esperança mora nessa possibilidade,
que será de amor e de luz.

No abraço que pode ou não acontecer,
e nos trará alento e bálsamo, alívio e plenitude...
Pois é de um amor perene, iluminado e eterno.

O que busco é a sabedoria de saber
Que mesmo distante estamos perto... 
Pois somos um só.

Que este dia possa chegar, nesta vida ou na próxima...
Ou entre elas, ou nas estrelas, possamos juntos estar.

Que meu coração tenha paciência...

E paz.



(Flavia Alves)


segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Impermanência



Impermanência.
Verdade de todas as vidas e do Universo.
Nos mostra quem vai e quem fica...
Nos mostra quem realmente importa por perto.
Faz cair as máscaras.
Faz o verdadeiro tornar-se relevante.
Mostra-nos quem é fantasma e quem é real.
Mostra-nos o que (de fato) é importante.


(Flavia Alves)


quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Teimosia tola

(arte de Selenart)


Cega estou
O mesmo medo
O mesmo erro
Teimosia e temor
Você espera por ela
Eu, por você espero
Assim criamos nós dois
Uma ciranda de dor

Enquanto tenho algum tempo
Preciso este ciclo quebrar
Devo abrir meu coração
Não posso mais esperar
Mergulho nas possibilidades
...de um novo viver e querer
Para a luz de um novo amor
...de um outro amanhecer


(Flavia Alves)



segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Até quando?


(imagem: Heartletter)


"O que aconteceu?
Por que nos maltratamos?
É por causa do acordo?
Nunca fez sentido pra você
Você nunca creu
Não em mim...
Só trocamos machucados
Um pelo outro
E eles não curam nunca
Os meus curam
Os seus se multiplicam
uns sobre os outros
E interferem nas minhas feridas
Qual a minha importância?
Tenho?
Meus sentimentos são simples
Não complique
Meus sentimentos perdoam
Não me julgue
Meus sentimentos estão aqui
Até quando?"


(poesia de Isabela Lavigne)