quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Espelho



Esfinge do meu viver
Possível amor, novo amanhecer
O que seus olhos querem me dizer?
Por que suas ações contradizem você?

Como esperar o tempo certo?
Se meu coração quer meu amor declamar...
O que devo fazer com este inesperado sentimento?
Que foi impossível impedir o brotar

Os sonhos que emergem da minha alma
Mostram cenas confusas de outrora
Quais são as ligações escondidas que temos?
Por que não são mais importantes agora?

Só resta a mim, em meu amor confiar
Preciso entregar minhas palavras ao silêncio
Devo acalmar a minha saudade de nosso futuro
E esperar pelo seu sinal, pelo seu tempo


(Flavia Alves)



Esta poesia foi escrita há muitos meses atrás e agora é parte do meu passado.
O título original não é este.



Nenhum comentário:

Postar um comentário