segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Faça a Conexão!


Existe um vídeo na internet, que mostra cães e gatos sendo tratados como meros objetos, em gaiolas minúsculas, sem dignidade, sem direitos, sem carinho ou respeito. E, obviamente, este vídeo choca o mundo ocidental, provocando revolta e indignação.

É sem dúvida, um vídeo doloroso. Deixa o gosto das lágrimas em nossas almas. Ao assistirmos, nossas gargantas se apertam, pois sabemos que cães e gatos são seres maravilhosos: SENTEM, têm personalidades, são únicos.

Mas, deixo aqui, com imenso amor, uma observação: É necessário fazermos a CONEXÃO entre os filhos da Terra. Cães e gatos são sencientes... Mas outros seres também o são. Vacas e seus bezerros, porcos (uma das 4 espécies não-humanas mais inteligentes do planeta), galinhas, golfinhos (caçados brutalmente e assassinados por sua carne), peixes, cavalos, e tantos, tantos outros.

O homem é abusivo, destruidor, egoísta. É talvez uma das espécies mais jovens do planeta... Mas, caçula, acredita possuir tudo e ter o direito de decidir quem vive e quem morre. Extrai da Terra tudo o que quer, sem importar-se com o próprio futuro.

NÃO existe NENHUMA necessidade real de criarmos animais para alimentação, ou vestuário, ou entretenimento, ou testes laboratoriais. A verdade dolorosa, é que MILHÕES (e milhões) de animais não-humanos são mortos TODOS OS DIAS apenas para que se alimente uma indústria de prazer (seja o paladar, seja cosmético, seja entretenimento). O homem mata por matar.

Precisamos ter em nossas mentes e em nossos corações que os caminhos alternativos são belos, éticos e limpos de sangue. Plenos de amor.

Me recuso a escrever sobre o que poderia ser um aspecto cultural da cultura oriental em devorar cães, gatos, escorpiões, macacos e tudo o que se mova. "Cultura" não pode ser desculpa para crueldades, desinformação e ações que tragam sofrimento e dor à tantos seres. Se fosse, a antropofagia seria facilmente justificada entre tribos canibais. Onde está a ética?

Não precisamos compactuar com tantas mortes. Podemos e devemos romper com o sistema... E uma das formas mais eficientes é através da REVOLUÇÃO PESSOAL. Nossas transformações individuais são capazes de salvar vidas diáriamente. Nossas escolhas e nosso exemplo são capazes sim, de transformar o mundo.

Pela LIBERTAÇÃO ANIMAL.
Pela Terra.
Por todos os filhos da Terra.

Por amor. Que é a força mais sutil e a mais poderosa do Universo.


Faça a conexão.


Quer saber mais?

www.vista-se.com.br

www.vista-se.com.br/terraqueos

www.svb.org.br


Fica a sugestão: Procure saber mais sobre este conceito revolucionário (ideologia) que é o VEGANISMO.


* * *


Aqui está um dos links de um dos vídeos sobre o assunto (cenas fortes):

http://www.youtube.com/watch?v=apXs4eHWKy0



quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Ave marciana - A far sunset


Tive a idéia de recomendar alguns livros interessantes que li no decorrer da minha vida. E o primeiro que gostaria de indicar é "Ave marciana", encontrado hoje em dia apenas em alguns sebos.


"A ave Marciana (no original A Far Sunset), é um romance de ficção científica escrito por Edmund Cooper, e publicado pela Colecção Argonauta com o número 136. Nele, é narrada a viagem (interior e exterior) empreendida pelo psiquiatra e astronauta britânico Paul Marlowe. Ao final da mesma, como ocorre nas viagens realmente significativas, ele descobre não ser mais a mesma pessoa que havia partido quase um quarto de século antes, do terceiro planeta do Sol.

Em 2012, os povos da Terra assistem à partida quase simultânea de três naves interestelares: a estadunidense Mayflower, a soviética Outubro Vermelho e a européia Gloria Mundi. Esta última, destinava-se ao objetivo mais distante dentre as três: Altair, uma estrela 16 anos-luz distante do Sol. E é em Altair Cinco que os doze tripulantes da Gloria Mundi deparam-se com o que parece ser um bilhete premiado de loteria: um planeta não só habitável como habitado – e por vida humanóide inteligente, embora em nível pouco acima da Idade da Pedra. Contudo, ao pousar para confirmar in loco a boa sorte, os orgulhosos desbravadores do século XXI descobrem que todo seu poderio e conhecimento podem não ser suficientes para enfrentar o que o destino lhes reserva."

(dados e sinopse retirados da Wikipédia)


Este é um livro surpreendente. A narração é muito bem feita e agrada aos amantes da ficção científica de forma bastante plena. A história? Leia! Não vou contar aqui... ^^



terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Sobre a Felicidade


Seja Feliz.
É o único caminho para tornar-se sábio.



Reflexão do Osho sobre intelectualidade e sabedoria


"Nas mãos do coração, o intelecto torna-se inteligente.
É uma transformação, uma completa transformação de energia.
Então a pessoa não se torna um intelectual, torna-se simplesmente um sábio."

(Osho)

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Superação: Sacudindo a poeira!

Sacudindo a poeira

"Um dia, o cavalo de um camponês caiu num poço. Não chegou a ferir, mas não podia sair dali por conta própria.

Por isso o animal chorou fortemente durante horas, enquanto o camponês pensava no que fazer.

Finalmente, o camponês tomou uma decisão cruel. Concluiu que o cavalo já estava muito velho e não servia mais para nada. Também o poço já estava mesmo seco. Precisava ser tapado de alguma forma.

Portanto não vali a pena se esforçar para tirar o cavalo de dentro do poço. Ao contrário, chamou seus vizinhos para ajudá-los a enterrar vivo o cavalo. Cada um deles pegou uma pá e começou a jogar terra dentro do poço.

O cavalo não tardou a se dar conta do que estavam fazendo com ele, e chorou desesperadamente. Porém para surpresa de todos o cavalo quietou-se depois de umas quantas pás de terra que levou.

O camponês finalmente olhou para o fundo do poço e se surpreendeu com o que viu. A cada pá de terra que caia sobre as costas o cavalo sacudia, dando um passo sobre essas mesmas terras que cai no chão.

Assim em pouco tempo, todos viram como o cavalo conseguiu chegar até a boca do poço, passar por cima da borda e sair dali trotando.


Moral da história:

A vida vai lhe jogar muita terra, todo o tipo de terra. Principalmente se você já estiver dentro do poço.

O segredo para sair do poço é sacudir a terra que se leva nas costas e dar um passo sobre ela. Cada um de nossos problemas é um degrau que nos conduz para cima.

Podemos sair dos mais profundos buracos, se não dermos por vencidos.

Use a terra que te jogam para seguir adiante."


Recorde as 5 regras para ser feliz:

  1. Liberte o seu coração do ódio.
  2. Liberte sua mente de preocupações.
  3. Simplifique a sua vida.
  4. Dê mais e espere menos.
  5. Ame mais e aceite a terra que lhe jogam, pois ela pode ser a solução, não o problema.


"Se eu pudesse deixar algum presente a você, deixaria acesso ao sentimento de amar a vida dos seres humanos.

A consciência de aprender tudo o que foi ensinado pelo tempo afora...

Lembraria os erros que foram cometidos para que não mais se repetissem.

A capacidade de escolher novos rumos.

Deixaria para você, se pudesse, o respeito àquilo que é indispensável:

Além do pão, o trabalho. Além do trabalho, a ação.

E, quando tudo mais faltasse, um segredo: O de buscar no interior de si mesmo a resposta e a força para encontrar a saída."

(Gandhi)




terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Desejando a felicidade... Para todos. Para tudo.


"Coadjuvante de uma história de mil facetas; por isso sou toda alívio.
Compartilho a nobre coragem protagonista, de só desejar a felicidade."

(Camila Custódio)

Encontro em Samarcanda

(Samarcanda, Espanha)


"Encontro em Samarcanda"
(antiga lenda Oriental, recriada no livro "A ave marciana" - "A Far Sunset" de Edmund Cooper)

Um dia o Sultão de um Reino na Ásia Central recebeu o seu Grão-Vizir que espavorido lhe contou que um vulto sinistro, embuçado em vestes completamente negras, o tinha espiado na cidade. Pelo ar misterioso e sombrio, declarava ele ao Sultão, seu Senhor, pressagiava com grande convicção e temor que aquela figura que avistara era a personificação da morte. Era a morte que o espreitava, que o buscava, para em breve o atingir e por isso lhe comunicava que ia fugir imediatamente para Samarcanda. E assim se despediu.

O Sultão contrariado com aquele episódio que atingia o seu estimado Grão-Vizir ordenou aos seus soldados que procurassem um tal figurão que pudesse corresponder à sua descrição e, a bem ou a mal, o trouxessem sem demora à sua presença.

Na verdade ao fim de algumas horas os seus fiéis servidores trouxeram-lhe uma figura de porte altivo e terrífico, todo envolto de negro. Mesmo o semblante era uma sombra escura indistinta debaixo do capuz. Não foi difícil o Sultão entender o terror do seu Grão-Vizir, ainda para mais sentindo-se acossado por aquela tão medonha e sugestiva visão, de tal maneira que o levara a escapulir-se à pressa para a distante Samarcanda!...

O Sultão depois de algum tempo a observar a personagem que o Grão-Vizir interpretara como sendo a morte interpelou-a com firmeza:
– Quem és tu que ousas trajar-te assim e amedrontares as pessoas?!
Ao que o estranho respondeu:
– Que a minha identidade não te ocupe… Quanto a meter medo não sei a que te referes.
– Lembro-te que estás no Reino que é o meu. Mas desde já te digo que a razão da tua presença aqui tem a ver exactamente com o facto de andares a aterrorizar as pessoas, como foi o caso do meu Grão-Vizir. O que lhe fizeste? Que sortilégio lhe lançaste?
Do alto da sua possante estatura a voz grave do desconhecido explicou calmamente:
– A única atitude que tomei perante o teu ilustre Grão-Vizir foi apenas a de uma enorme surpresa ao vê-lo na cidade uma vez que eu tenho hoje à noite um encontro com ele em Samarcanda.