terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Sol


Eterna filhote, Sol e luz
Como posso descrever você?
Olhar verde tão claro, leve
Ser dourado, bem-querer

Agradeço cada instante vivido
E todos os caminhos percorridos
Foi e é privilégio e honra
Dividirmos jornadas e afeto

Ficam as lições, as emoções
Brincar é melhor que comer
Disposição em todos os dias do viver
Como eu aprendi e aprendo com você!

Não existe hora certa 
...pra trocar carinho
E um colo amado 
...sempre será o melhor ninho

Voa, meu xodó amarelo
Sem medo e sem dor
Seja, finalmente, livre!
Leve consigo apenas o amor

Saibamos e lembremos
Que a separação é ilusão
A morte, uma viagem
O medo não merece atenção

Eu viverei em você
...e você viverá em mim

E chegará o dia 
que eu atravessarei a ponte
(arco-íris)
...e nos reencontraremos 
...enfim

Eu te amo, Sol
Para sempre


(Flavia Alves)




--

Arte: The Lunacy-fringe, deviantART







Tempestade


Sonho, novamente
...com a tempestade
Ventos fortes 
Janelas arrancadas
Vidros soltos
Raios e trovões
Estruturas enferrujadas
Nuvens escuras
Turbilhões
Luta inglória, esta
...contra o tempo
Cansa a alma
...nos pesadelos, ser
...a inimiga do vento


(Flavia Alves)










quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Crescer


Refletir sobre verdades
Amor
Construção
...e paciência

Aceitar ou negar 
Saudade
Dor
...e consequência

Escolher o silêncio
Tempo
Crescer 
...é experiência

Crescimento inevitável
Alma
Ser
Impermanência


(Flavia Alves)




--

Arte: Marinshe, deviantART








Lobo


Sufoco o grito
Seco as lágrimas 
Engulo o choro
Respiro

A vida exige
Maltrata
Empurra
Sigo, tropeço
Para o mundo
...estou nua

Onde estão minhas asas?

Lamento
Reclamo
De nada adianta
Quem ouve meu pranto?

Alma exausta
Pareço afogar
Mares de medo
...a me atormentar

Sozinha
...no escuro

Encaro o lobo marrom
Não rosna e não uiva
Parece uma esfinge
Com a luz, ele some
Se esvai, extingue

No espelho busco o olhar
Brilho desaparecido
Aura diminuída
Energia fraca
Imagem descabida
...diluída
...nos pesadelos de sangue
...da orla da floresta
Grito contra os fantasmas
As sombras não desaparecem

Luto a pior batalha
A guerra contra o rancor

Eu mesma amputei meu voar
Quebrei minhas mãos
Afoguei meu sonhar
...como uma Cecília
Um delírio
Martírio
Navios no fundo do mar
Esperava acordar

Não acordo
...me entrego ao medo

Pesadelo


(Flavia Alves)





sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Cheiro doce


Trovões
Chuva a cair
E em nosso ninho
...nos abraçamos
(suspiramos)
O calor do cheiro
...é morno
...é doce
As auras se entrelaçam
...suavemente
(aliviados)
O aroma do incenso 
...parece penetrar nas paredes
...nos móveis
...na pele
Em nós

Não estamos sós


(Flavia Alves)



--

Fotografia: Nova Heroi, deviantART