sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Você e eu

(escrita para o meu Catnip, Leandro Mattos)

Amor gigante
...que invade
Preenche
Renasce
Poro, pele, detalhes
Energia que amplia
Cria!
Ri e silencia
Ensina, aprende
Reinventa
Aconchego e calor
Amizade
Todas as formas de amor



(Flavia Alves)










terça-feira, 7 de outubro de 2014

Poesias Vivas

(poemas e poesias escritas para Leandro Mattos)

"Inundação"

Você veio, meu ranger
E silenciou a dor
...afastou a solidão
Não completou
Somos inteiros
...arqueiro meu
Você me transborda
...inunda
...de amor

--

"Segundos"

Durante o tempo que estou afastada de você
Sinto uma imensa saudade
Parece até exagero...
Mas, garanto, é doce verdade!
Cada segundo ao seu lado
Vale uma eternidade
E os instantes sem você
(para o meu coração)
...são pura maldade!


--

Silêncio morno
Enlace de jornadas
Inevitável crescer
Ser, sermos... Amar você.

--

Ah, amor meu
Como você consegue
...suportar a minha dor?
Não sou fácil
Nunca fui
Apenas posso agradecer
...por tudo
...por você
Tudo o que é
...que somos
Tudo o que você faz
...e fazemos

--

"Castanho"

Quero mergulhar
Em você
No brilho
...do castanho olhar
Quero trocar
Crescer
Aprender e ensinar
Ser
Quero amar
Permitir
Deixar fluir
Viver

--

"Tecendo sementes"

Os abraços reais são sempre os mais belos
Os beijos, ternos
O afeto, nossas risadas, o olhar
Tudo isso torna mágico o viver
A vida, um sonhar
...e as poesias, vivas!
Juntos vamos tecendo nossos sonhos
Alguns palpáveis
Outros, apenas viagens
...de nossas imaginações
Jornadas repletas de sementes
...de um futuro entrelaçado
Que podem vir a brotar
Docemente



(Flavia Alves)









Seis

(para meu amor, por nosso breve e eterno tempo juntos)

O que posso eu dizer para você?
Como explicar
...para você compreender?

Seu calor perfeito
O abraço que fortalece
A voz, o brilho do olhar
As conversas e risadas
...o sonhar

Os desajustes breves
Racionais e respeitosos
O desalinhamento leve
...que nos mostra que não somos opostos

A compreensão dos limites
De nossa escuridão e luz
Deliberadamente semear
Cultivar e fortalecer

A escolha do amar

Ser



(Flavia Alves)







sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Brasão


Caminhamos ontem
Tão juntos...
Mãos dadas
Dedos entrelaçados
A lua, com sua forma de foice
...sorria no céu enevoado
Não vi estrelas
A areia fria tocava nossos pés
...sendo apoio, alicerce, terra
E rimos
E conversamos
Fomos tocados pelas águas bravias
Você decidiu então
...mostrar algo tão belo
...tão nosso
Genial
Singelo
Apenas uma letra parecia ser
E eu?
Fiquei sem compreender
Então você explicou
Nossas iniciais
Quase um brasão
Eu ri feliz
Comovida
...espantada!
Dominada pela emoção



(Flavia Alves)







Lapidação


É preciso serenar o coração
Calar a angústia
Silenciar a agonia
Tornar muda a própria mente

É preciso "forçar a barra"
Praticar Santosha
Respirar, confiar
Em Sattva, focar

É preciso prosseguir a jornada
Fazer do amor e da luz, morada
Tudo aquilo que vier, aceitar
E assim, a mim mesma, lapidar



(Flavia Alves)